Despoluição do Rio Tietê_Carlos Eduardo Carrela_SG (11)

foto: Samira Gasparini

A despoluição dos ecossistemas é um dos assuntos mais urgentes da atualidade. Milhões têm sido investidos em estudos e ações por todo o mundo na tentativa de recuperar o que a ação humana promoveu nos últimos séculos, e esse foi um dos temas abordados durante a tarde desta quarta-feira (11), primeiro dia de atividades da XX Feira do Verde.

Palestras como a ministrada pelo superintendente da Sabesp, que é a companhia de abastecimento de São Paulo, expuseram tentativas e soluções para a despoluição de importantes rios e afluentes brasileiros, como o Tietê, que corta a capital paulista. Muito conhecido pela poluição, que reduziu a zero o nível de oxigênio de suas águas, o rio que já serviu de área de lazer para o paulistano protagoniza um ousado projeto de despoluição.

“Vimos que para despoluir o rio temos também de olhar para o tratamento dado a água que ele recebe. Por isso, investimentos e ações em redes de tratamento, distribuição e controle de qualidade são indispensáveis, além de inúmeras outras como a educação e o envolvimento do cidadão”, salientou Carlos Eduardo Carrela, da Sabesp. Integrantes da plateia conheceram o que pode ser feito para salvar um rio que já havia morrido, e viram no exemplo mais uma referência para o Espírito Santo.

Leia mais.

Anúncios